São Francisco, maravilha do Sertão

Abr 28

São Francisco, maravilha do Sertão


Passeio de ca­ta­ma­rã em Piranhas e no cânion de Xingó, dois ce­ná­rios des­lum­bran­tes do Velho Chico

O carnaval se foi, feriadão agora somente na Semana Santa. Mas quem mora em Alagoas deve aproveitar, pois, com o fim das festas de Momo, é tempo de baixa temporada e viajar fica mais em conta. O nosso Estado tem lugares apaixonantes, como a pequena cidade de Piranhas, encravada no Sertão; bela, preservada, histórica, com o rio São Francisco deslizando as suas águas doces entre os morros. Um eterno convite a navegar horas pelo seu leito. Vizinha ao município de Piranhas está a cidade sergipana de Canindé de São Francisco, que guarda relíquias como o Museu Arqueológico de Xingó (MAX) e os passeios pelos cânions do Velho Chico.

A cidade de Piranhas, vista do alto do Mirante do Século 20, revela toda a exuberância do Velho ChicoPara vivenciar os sertões alagoano e sergipano, é preciso, no mínimo, agendar três dias. E pode ter certeza de que quem m conhece Piranhas sempre retorna ao doce destino, uma das sete maravilhas do mundo. Logo na chegada, descendo a ladeira, já é possível avistar o rio e a pequena cidade, com o seu casario histórico colorido, a estação de trem e os monumentos da passagem dos séculos 20 e 21. Até os mortos são felizes na cidade: o cemitério tem a melhor visão do rio São Francisco.

Canindé do São Francisco: ponto de partida para o cânionComo Piranhas é distante 280 quilômetros de Maceió, programe a viagem entre 5 e 6 horas da matina ou então chegue na quinta-feira à noite para ter tempo de fazer o passeio de barco, que sai às 11 horas, com destino a Angicos (lado sergipano). No passeio pelo Velho Chico, a cidade de Piranhas vai ficando para trás, avistando-se os morros e uma singela capela.

No trajeto, também são observados pequenos redemoinhos, mas nada que assuste, afinal, nenhum acidente foi registrado até hoje. Quando a embarcação atraca no restaurante Angicos, boias delimitam o espaço para o banho e é bom que seja respeitado porque só quem conhece as águas do Velho Chico são os pescadores.

Aproveite o espaço indicado pelas boias e mergulhe com gosto nessa dádiva da natureza, com uma água doce e geladíssima. Para melhor conforto, o restaurante Angicos, sob a batuta da família de dona Gilda, coloca mesas às margens do rio.

Mas, como o restaurante também oferece uma linda vista, prefira almoçar no alto, debaixo da frondosa mangueira. Para começar, o filé de surubim mostra a sua nobreza ao paladar, porém a pituzada (com casca) cozida na panela de barro e acompanhada de pirão é de lamber os beiços.

Para os mais dispostos a enfrentar o sol, tem a trilha de Lampião, que leva até onde o cangaceiro foi morto com o seu bando. A duração do passeio é de cerca de uma hora, com poucos obstáculos. Vale a pena. Mas o bom mesmo é se banhar no Velho Chico e, segundo a lenda, quem faz isso sempre retorna.

A pequena capela é um dos cenários do passeio de barco pelo rio São  Francisco na cidade de PiranhasNo passeio de volta vale conferir os bordados de redendê no povoado de Entremontes. Dizem até que a passagem do imperador dom Pedro II marcou tanto a comunidade que muitos moradores, ainda hoje, atribuem a ele a escolha do nome do povoado. O redendê é famoso, elaborado com agulha, linha e tesoura. A bordadeira corta o tecido em quadrados, losangos ou triângulos e, com o auxílio de um bastidor, vai unindo-os com linhas brancas ou coloridas, formando barras. Esse artesanato, produzido por mais de 50 ribeirinhas, é adquirido por turistas e está presente em restaurantes de São Paulo e em lojas de Brasília.

Cânion de Xingó, um espetáculo para os olhos
Pituzada no restaurante AngicosDepois de passear pelo rio São Francisco, em Piranhas, agende o segundo dia para seguir viagem até a cidade de Canindé do São Francisco e navegar pelo cânion de Xingó. O passeio - com duração de três horas - tem saídas do restaurante Karrancas e revela uma paisagem formada por belos e imponentes paredões rochosos, com cerca de 60 milhões de anos – que chegam a ter 50 metros de altura –, e pelas águas do rio São Francisco, represadas por causa da construção da Usina Hidrelétrica de Xingó, na década de 90; um espetáculo para os olhos.

Uma das formações rochosas é a Pedra da Águia, com o formato de ave. A profundidade das águas também chama a atenção; em alguns pontos atinge até 170m, com extensão de 65 quilômetros e largura que varia de 50m a 300m.

Entremontes: bordado redendêO passeio segue pelo Velho Chico até a Gruta do Talhado (lado alagoano, no município de Olho d’Água do Casado), que tem esse nome porque os paredões de rocha que formam o cânion parecem talhados à mão. Na Gruta é feita uma parada para mergulho no rio São Francisco e um passeio em barco menor pelos labirintos da rocha. A área é cercada por boias e coletes salva-vidas, que garantem segurança para um delicioso mergulho no rio São Francisco; uma relíquia da natureza.

Comentários

Quer conhecer a região de Xingó e se hospedar no melhor hotel?