DETALHES DO POST

Cachoeiras de Paulo Afonso e Croatá – a beleza das muitas águas

Cachoeiras de Paulo Afonso e Croatá – a beleza das muitas águas 19Abr

Cachoeiras de Paulo Afonso e Croatá – a beleza das muitas águas

A abertura das comportas das barragens da Chesf, que permitem o renascimento das cachoeiras de Paulo Afonso, é uma operação que mobiliza centenas de profissionais da área técnica, de segurança e administrativa da própria Chesf e outros profissionais, veículos e equipamentos também da Policia Militar e da Prefeitura de Paulo Afonso.

Nessas ocasiões, a beleza do show das águas atrai sempre um grande número de visitantes, que passa dos 2 mil em cada dia, o que muda totalmente a rotina do fluxo normal de turistas nestas áreas da Ilha do Urubu, no Roteiro de Visitação do Complexo Hidrelétrico da Chesf em Paulo Afonso. 

Daí a presença de centenas de guardas de vigilância da Chesf, policiais militares, guardas municipais, agentes de trânsito e vigilantes terceirizados, além de técnicos da Segurança do Trabalho da Chesf, distribuídos em pontos estratégicos ou circulando pelos vários pontos de visitação num trabalho de orientação aos visitantes e recomendando cuidado, uma atenção especial com as crianças, para que a empolgação da beleza do espetáculo não seja estragada por um acidente, uma queda, motivada pela desatenção. Um trabalho muito eficiente, resultado da parceria da Chesf com a Prefeitura, Polícia Militar, em consonância com os Conselhos Municipal e Regional de Turismo. 

O trabalho se inicia no Memorial Chesf onde uma equipe da Administração da Regional da Chesf controla o fluxo de pessoas para acesso às áreas de visitação.

O show das águas foi possível porque outras equipes da Gerência Regional de Operação da Chesf, desde Sobradinho, em Itaparica e em Paulo Afonso se encarregavam do controle das vazões das comportas das barragens, principalmente as dos braços Principal, do Quebra, do Taquari e do Capuxu, todas na Barragem Delmiro Gouveia.

Na retomada do seu leito normal o rio São Francisco faz ressurgir esplendorosas as quedas da Cachoeira de Paulo Afonso, do Véu da Noiva, as belas quedas do Croatá e a do Capuxu. Beleza total, que emociona e encanta a todos, que ficam, literalmente, de boca aberta, sem palavras para externar o que os seus olhos brilhantes veem em pleno sertão nordestino, nestas terras sertanejas.

As muitas águas que chegaram encontraram a terra ressequida, os arbustos secos, de galhos retorcidos, como a observar o mundão de águas descendo rio abaixo e seguindo, espremendo-se entre os paredões do cânion até invadir o mar, quase 300 quilômetros à frente, na divisa dos estados de Alagoas e Sergipe.

A expectativa dos que vivem do turismo na região e dos órgãos como os conselhos municipal e regional de turismo, o Departamento Municipal e a Secretaria de Turismo de Paulo Afonso é que se possa ver na prática e de forma periódica, essa abertura das comportas, talvez não com a intensidade que se vê agora, mas que permita, de forma programada, que milhares de visitantes, do Brasil e de outros países onde não há espetáculos como estes, vejam as quedas d`água da Cachoeira de Paulo Afonso que já encantaram o Imperador D. Pedro II que veio vê-las há 153 anos, em 20 de outubro de 1859, e assim descreveu o que viu.

“É belíssimo o ponto de que se descobrem sete cachoeiras que se reúnem na grande(...) e algumas grandes fervendo a água em caixão de encontro à montanha que parece querer subir por ela acima; o arco-íris produzido pela poeira da água completava esta cena majestosa(...) Tentar descrever a cachoeira em poucas páginas, e cabalmente, seria impossível, e sinto que o tempo só me permitisse tirar esboços muito imperfeitos.”

Cachoeira que foi inspiração do grande poeta baiano Antônio de Castro Alves no enredo de história dramática, cenário de sua luta contra a escravidão:

“A cachoeira! Paulo Afonso! O abismo!
A briga colossal dos elementos!
As garras do Centauro em paroxismo
Raspando os flancos dos parcéis sangrentos.
Relutantes na dor do cataclismo
Os braços do gigante suarentos
Aguentando a ranger (espanto! assombro!)
O rio inteiro, que lhe cai no ombro!” 

Assim como motivou a tantos saírem de suas terras longínquas ou de cidades nascidas nas margens do rio São Francisco, ainda hoje a volta das águas das cachoeiras de Paulo Afonso têm trazido milhares de pessoas que espalham essas imagens encantadoras, associadas às suas próprias imagens pelas redes sociais, Orkut, Facebook e tantas outras, ilustram matérias jornalísticas, se multiplicam pelos sites, em fotos e vídeos mostrando ao mundo a beleza das muitas águas sertanejas das cachoeiras de Paulo Afonso.

No momento atual, de grande cheia do rio São Francisco, o espetáculo das águas em Paulo Afonso deve continuar até o dia 21 de fevereiro.

Esta é uma das formas das cachoeiras de Paulo Afonso voltarem a ser o grande atrativo turístico regional. A outra forma é aprovar o projeto que existe na Agência Nacional das Águas que propõe a abertura periódica da Cachoeira de Paulo Afonso gerando desenvolvimento regional através do turismo. Que isso aconteça outras vezes, de forma programada, para que o mundo conheça ou volte a ver esse espetáculo das águas na caatinga sertaneja, nestas terras nordestinas.

Texto:Folha Sertaneja (BA)